quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Não fui eu! Foram eles…


Com os combustíveis a não descer, é sempre interessante ver o comportamento dos diversos actores na cadeia de responsabilidades. Qualquer um coloca-se ao lado da opinião pública, remetendo as culpas para terceiros. Subitamente, os consumidores vêem-se rodeados de novos amigos.

A entrevista de Manuel Pinho é bastante elucidativa a este respeito. Afirmou estar preparado para tomar toda e qualquer medida em defesa do consumidor”, colocando-se assim estrategicamente ao lado do descontentamento crescente.

A ANAREC, uma associação até há pouco desconhecida dos portugueses, também é actualmente uma das melhores amigas dos consumidores. O seu representante nunca perde tempo a criticar as execráveis gasolineiras, sempre ávidas de lucros, que não hesitam em prejudicar os coitados dos revendedores e seus clientes.

Por seu turno, as gasolineiras apontam responsabilidades para a especulação dos mercados internacionais, esses malvados. Nada podem fazer contra os imprevisíveis mercados, mas lá vão sussurrando que a taxação governamental também tem culpas no cartório.

Por último, a Autoridade da Concorrência, organismo que a opinião pública espera que identifique responsabilidades, esforça-se por justificar a sua existência e por se mostrar sensível aos anseios dos consumidores. Mas não consegue apurar mais do que “a culpa é de todos, a culpa não é de ninguém.

A culpa acaba por morrer solteira, mas há um lado bonito em toda esta história: os consumidores nunca tiveram tantos amigos...

1 comentário:

pedro lopes disse...

Amigos destes, tão "diligentes", endosso-os aos meus inimigos.

Fosse McCain português, e já teria prometido a substituição do presidente da Autoridade da Concordância....perdão, da Concorrência.